a Caneta Textos

Top 15 Leituras de 2016

Written by allenporto

2016 não foi um grande ano para mim no quesito “leituras”. Com algumas exceções não li grandes obras memoráveis, embora tenha gostado de muita coisa lida. Incrivelmente, vários insights importantes para a caminhada ao longo do ano não vieram de obras teológicas, mas de leituras em outras áreas, como educação, produtividade, ou empreendedorismo.

Dentre as leituras teológicas, as que mais se destacaram foram, sem dúvidas, You are what you love, de James Smith, Os conflitos no lar e as escolhas do pacificador, de Ken Sande e Tom Raabe, Pecado intocáveis, de Jerry Bridges e Justiça generosa, de Tim Keller. Os insights do primeiro são fundamentais para se entender e experimentar uma dinâmica mais completa de lidar com as pessoas. Entender que os homens são mais do que cérebros ambulantes, perceber o poder do(s) hábito(s) na formação dos nossos amores e desejos, e lidar mais atentamente com as nossas “liturgias” são chaves realmente importante para lidar com as pessoas nas mais diversas áreas como a educação, o discipulado, o aconselhamento, e o pastoreio. Além disso, a obra é ainda mais útil no desenvolvimento de uma percepção pessoal – identificar os nossos hábitos e o impacto deles sobre a nossa vida, bem como estabelecer novas liturgias que encaminhem o coração na direção do Eterno são possíveis a partir da obra.

O segundo livro toca mais especificamente a área do aconselhamento, mas não fica restrito a isso. Aqui, novamente, as sacadas funcionam para a percepção dos outros e a percepção pessoal. Ken Sande e Tom Raabe fazem um excelente trabalho em aplicar a sabedoria bíblica à dinâmica dos relacionamentos. Com excelentes ilustrações e muita aplicação prática, o livros nos leva a considerar as respostas combativas, as evasivas, e as pacificadoras. Demonstrando a raiz dos conflitos na desordem dos desejos, os autores denunciam a nossa idolatria e nos encaminham em maneiras mais santas e adequadas de lidar com as dificuldades. Capítulos fundamentais são os que falam sobre perdão e confissão. O livro é uma maravilha para quebrantamento pessoal, para o crescimento nos relacionamentos familiares, e para o aconselhamento.

O terceiro livro é de uma simplicidade desconcertante. Pecados intocáveis, sem afetações de grandeza ou profundidade, apresenta questões importantíssimas e coloca o dedo em nossa ferida com suavidade e graça. Talvez um dos sucessos do livro seja isso: a simplicidade com que apresenta o seu difícil ponto. Jerry Bridges indica o quão pecadores nós somos, indicando, pecado após pecado, a maldade que existe em nossas vidas. A sutileza está em que tais pecados não estão na nossa lista de “práticas reprováveis”; pelo contrário, chegamos a nos orgulhar de alguns deles. O capítulo sobre impiedade é marcante. Esse é um daqueles livros que funciona como espelho, para revelar um pouco mais quem somos ou temos sido.

Tim Keller demonstra como a “justiça social” (tenho resistência com o termo) não é uma opção para o cristão, mas o resultado de uma vida coerente com o evangelho. Justificação leva a justiça, e Keller demonstra isso com bastante propriedade e beleza. A fundamentação bíblica e teológica para a obra é excelente, e as provocações sobre como nem a direita e nem a esquerda conseguem captar a compreensão bíblica do ponto são desafiadoras.

Como falei de insights que vieram de outras áreas, vale a pena mencionar, na leitura de Produtividade para quem quer tempo, como a verdade é útil para derrubar as mentiras que passamos a acreditar, e contamos a nós mesmos (obviamente, essa é a minha leitura cristã da obra. Trata-se de uma aplicação de Filipenses 4.8 no combate ao que essa turma chama de “crenças limitantes”). O livro também fala sobre o valor da gratidão, e como treinar a gratidão diariamente. Isso foi especialmente valioso. Na leitura de Um mundo, uma escola, tanto o diagnóstico da falência de nosso modelo educacional, quanto as provocações quanto a novas possibilidades são desafiadoras. Eu fiquei pensando em aplicações disso para a Escola Bíblia Dominical e para o ensino teológico. Como parte dessas reflexões, lancei o meu curso online.

Pra não demorar mais nessa introdução, eis a lista das melhores leituras de 2016, organizadas por áreas. Se você comprar algum livros desses pelos links que providencio abaixo, você estará contribuindo com o BJC.

Literatura:

1 Vamos ao que interessa (J. P. Coutinho)  

Sou fã de crônicas, e João Pereira Coutinho está entre os escritores que mais aprecio ler. Dei várias gargalhadas enquanto  lia a obra, que é rica em informação, e possui um texto belíssimo.

2. 50 crônicas escolhidas (Rubem Braga)
Finalmente conheci o mestre da crônica brasileira, embora eu ainda prefira Nelson Rodrigues. O texto de Rubem Braga é muito agradável de ler, e ter acesso ao seu material é conhecer e entender um pouco mais do Brasil.

Produtividade / Empreendedorismo / Crescimento pessoal

3. Produtividade para quem quer tempo (Geronimo Theml)
Gerônimo Theml trabalha o tema de maneira simples e prática. Sua descrição dos quatro pilares da produtividade, e seu método DRD me ajudaram bastante.

4. A startup enxuta (Erik Ries)
Esse foi uma experiência em 2016. Ouvi alguns audiolivros, e um deles foi o de Erik Rios. Embora o foco esteja no campo do empreendedorismo, certamente há insights para se aplicar em outras áreas. A abordagem apresentada por ele é muito útil para alguns projetos em igrejas, por exemplo.

5. Bulletproof (Dave Asprey)
O foco de Bulletproof é alimentação. Dave Asprey trabalha o conceito de *biohacking* e apresenta várias discussões e dicas quanto às maneiras adequadas de nos alimentarmos. Suas dicas quanto à gordura foram valiosas para mim.

Aconselhamento

6. Os conflitos no lar e as escolhas do pacificador (Ken Sande, Thom Raabe)
Ajuda preciosa no aconselhamento de conflitos familiares. O livro me rendeu vários episódios do BJCast:

BJCast #47: Entenda as suas tretas

BJCast #52: 4 Vs para restaurar relacionamentos

BJCast #57: Os 4 compromissos do perdão

BJCast #62: Os 7 passos da confissão completa

 

7. O pastor e o aconselhamento (Deepak Reju, Jeremy Pierre)
Um guia simples de aconselhamento, apresentando uma visão panorâmica da área, e providenciando sábios conselhos para pastores, mas também para todos os que entendem a importância do ministério pessoal.

Cosmovisão / Artes / Filosofia

8. A arte moderna e a morte de uma cultura (H. Rookmaaker)
Um passeio pela história da arte, percebendo-a como uma história das cosmovisões. Escrevi uma resenha mais completa dessa obra, que foi publicada na Revista Fides Reformada.

9. Contornos da filosofia cristã (L. Kalsbeek)
Kalsbeek explica Dooyeweerd para os iniciantes. Ele é bastante didático, mas não pense que, por isso, o livro é fácil. Ainda assim, são tantos insights que o livro precisa ser lido e relido.

Educação / Criação de filhos

10. Um mundo, uma escola (Salman Khan)
Salman Khan, o fundador da Khan Academy, conta a sua história e descreve a falência do sistema educacional contemporâneo. Aqui há vários insights para pensar a educação no contexto cristão, como escolas cristãs, escola bíblica dominical, seminários teológicos, etc.

11. Nana nenê (Gary Ezzo)
Meu filho nasceu nesse ano, e uma das melhores decisões que tomei foi a de ler essa obra. Rotina é algo muito importante para a vida de um bebê (de adultos também), e essa obra nos ajuda a entender como existe uma conexão fundamental entre rotina, sono e alimentação.

Vida cristã

12. You are what you love (James K. A. Smith)
Somos guiados por nossos amores, diz Smith, acompanhando Agostinho de Hipona. Para o nosso cristianismo cognitivista, o livro é provocador. As análises das liturgias dos *shopping centers* e dos casamentos contemporâneos são brilhantes. O destaque à importância da liturgia no culto cristão também é muito bom.

13. Justiça Generosa (Tim Keller)
Não apenas o Antigo Testamento possui leis e orientações quanto aos vulneráveis (órfãos, viúvas, estrangeiros e pobres), mas o Novo Testamento trabalha nas mesmas bases. A igreja, portanto, deve se envolver nisso. Tim Keller nos indica caminhos de isso acontecer.

14. Pecados intocáveis (Jerry Bridges)
Você possui pecados que considera aceitáveis. Jerry Bridges vai provar isso para você nesse livro.

Liderança

15. 10 erros que um líder não pode cometer (Hans Finzel) 
Estudamos teologia e achamos que a liderança vai fluir naturalmente. Nesse livro, Hans Finzel demonstra por que deveríamos dar mais atenção ao preparo pessoal no quesito liderança. Alguns desses erros são fatais.

E você? O que leu em 2016? E o que pretende ler em 2017?

About the author

allenporto